leram-me

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Sorrisos que escondem histórias...histórias que trazem sorrisos

Há exatamente um ano atrás escrevia estas palavras, que escolhi partilhar convosco:

"No dia em que nasceste para mim, senti-te invadir o meu coração. Ficou cheio de ti...tão cheio, que nada mais lá coube, desde então. 
No dia em que nasceste para mim...nesse mesmo dia...soube que não virias já. Tal como uma pedra preciosa, ias levar o teu tempo a materializar-te. Mas já existias...em mim! 
Para mim, já tens 6 anos de vida...6 anos difíceis de viver, numa luta por te ter, sem ainda te conseguir. 
Sabes, gosto de te escrever. Já o faço há muito tempo. Descobri que me aproximo de ti, se o fizer. Até agora, guardei todas as palavras para mim...só para mim...
Mas sei que ao partilhar esta luta pelo meu amor maior, que és tu, vou ajudar outras mães, que ainda não o sendo, lutam por sê-lo, todos os dias. Esta luta é cheia de percalços e armadilhas...nem sempre compreendem o que é já ter um filho sem o ter. São dados conselhos, como se fossem rebuçados...mas daqueles que não prestam e custam a engolir. Dizem que o melhor é desistir para então te conseguir. Tolos...
Como se pede a uma mãe para desistir de um filho? Mas eu nunca te vou querer menos! Nunca vou desistir de ti! E não importa o que dizem ou possam ainda vir a dizer...porque só eu sei quanto mede a minha vontade de te querer. 
Não ouças o que por vezes me sussurram e outras me gritam aos ouvidos. Eu protejo-te mesmo que ainda não te possa aconchegar nos meus braços....ainda! 
Nasceste para mim no momento em que decidimos que 2 era pouco. Tornaste-te vontade, desejo imenso, sonho rosa-azulado...e nem nos momentos mais duros, em que o sonho mais parecia pesadelo, desistir foi uma opção!
Às vezes, quando a dificuldade me assoberbava e ficava sem saber o que fazer, lembrava a mãe ursa. Tentava convencer-me da escrita tão certa de Deus...ainda que por vezes as Suas linhas tortas dificultem tanto a leitura. A mãe ursa escolhe o número de crias que vai ter. E essa decisão baseia-se na escassez ou fartura daquela estação. Quando me lembro disto sei que a Natureza está deveras bem feita! Deus não deixou pontas soltas! Construiu um Mundo Maravilha, onde tudo se encaixa, tudo faz sentido! 
Haverá, com toda a certeza, um motivo maior para não te ter ainda nos meus braços...talvez Deus me esteja a aprimorar para ti. ..para te honrar, enquanto tua mãe! 
Sei que no dia em que passares de um sonho lindo a doce realidade, tudo fará sentido...até mesmo esta espera tão longa, para quem a vive na 1ª pessoa , e tão relativa, para quem apenas a vislumbra à distância.
Esta é a tua história.
Foi assim que nasceste para mim"

E a 28 de janeiro escrevi estas:

"Ainda me pareces irreal. Quero sentir-te sem medos, mas o receio de acreditar no milagre, que és tu, impede-me de o fazer, em toda a sua plenitude. Quando estamos só nós os dois, acaricio-te e forço-me a crer que estás mesmo aqui...a crescer na minha barriga, outrora tão vazia de ti. Estes momentos de quase enamoramento são os meus preferidos...e ao mesmo tempo que me apetece gritar para toda a gente ouvir que já te espero, quero guardar-te em segredo...só para mim...não vá alguém estragar este momento. Amo-te há 7 anos...7 longos anos a desejar-te como se deseja o mais doces dos sonhos. E agora só quero que os dias passem rápido para te poder finalmente ver e ouvir...pela primeira vez! Ainda será através de uma máquina, mas também tens tempo...fica aí as semanas que te apetecer...os 9 meses supostos...teremos a vida inteira para nos olharmos e amarmos incondicionalmente...filho!"

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Côderosa

Ontem o dia amanheceu cinzento. Emaranhada nas horas apressadas e nos meus próprios dramas, dignos da profissão que escolhi e não só, embrenhei-me num semblante fechado e pesaroso...tive o pior dos sentimentos por mim própria...senti pena da minha fraca sorte e chorei pelos meus problemas tão tão graves...senti-me farta de lutar por aquilo que me move, senti que nada na minha vida fazia sentido...depois parei, li a notícia do fim da luta da "nossa" Nonô...a Princesa Guerreira que deu tantas vezes cor aos meus dias, sem sequer imaginar que o fazia...pintou-os de côderosa...fez-me "acordar" e perceber que, se ela, com tão poucos anos de vida e uma força incomensurável aceitava a sua "sorte" e ainda sorria um sorriso encantador, então eu não tinha nada do que me queixar. Ontem, mais uma vez senti vergonha da minha auto comiseração...tal como de todas as vezes que acordava mais triste e lia mais um texto da Mãe Vanessa, essa lutadora imparável, de amor inesgotável pela sua menina, que também já era um pouco nossa. Sei que pode parecer parvo o que vou dizer, mas hoje sinto que perdi alguém que me era muito próximo, talvez por acompanhar a sua luta a par e passo. O nó na garganta instalou-se para ficar e sinto tanta pena de saber que não vou ler textos sobre as melhoras da Nonô, sobre o regresso a Portugal e as idas à praia ou ao jardim, do crescimento do cabelo e dos penteados fashion, dos laços côderosa, que lhe ficavam tão bem...da cura e da ida para a escola, onde se sentiria apenas mais uma criança.
A Nonô viveu uma vida curta...mas encheu a vida de muita gente de esperança e ensinou-nos a aceitar e sorrir!
Hoje o dia voltou a amanhecer cinzento, mas prefiro vê-lo em tons de côderosa...

sábado, 23 de agosto de 2014

Agosto

Agosto passa lento, devagar...ora frio, ora quente... como se de um mês de Verão se tratasse.
Agosto fincou pé e não saiu do sítio. Afogou-me em nostalgia...do que já foi e do que nunca chegou a ser. Trouxe-me à memória vivências dignas de Agostos...outros, que não este.
Agosto teima em passar devagar...sombrio e triste, sedento de sol e de sorrisos, frio e cinzentão.
Não me lembro de Agostos com pés frios...mas não é essa frieza que mais incomoda.
#beach #sparkle  ♥ . . ✿⊱╮. #beautiful . . ★ . . ╭✿⊰ ♥ . . ★ . . ♥ ☽★☀☆☾

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Fica o céu a ganhar...

A primeira recordação que tenho de me rir até doer a barriga foi com o filme "Good Morning Vietnam". Ao lado do meu pai, também ele dono de um humor ímpar, ouvíamos o radialista Adrian Cronauer e admiravamos o génio por trás da personagem. Ainda hoje, nos dias de chuva, o citámos a duas vozes "o tempo vai estar chuvoso e merdoso..." acompanhado de gargalhadas. Depois emocionei-me e percebi o que realmente é ser professor, com "Oh Captain, my Captain" John Keating e o seu Clube dos Poetas Mortos...sonhei com Peter Pan e com o Génio da Lâmpada...ri muito com os disparates de Mrs Doubtfire, mas também entendi o que um bom pai é capaz de fazer para estar ao lado dos filhos, percebi que rir é de facto contagioso e um ótimo remédio com Patch Adams, engasguei-me com as gargalhadas provocadas pelas confusões léxicais de Dr Kosevich, com a "bichice" de Armand Goldman, com a inocência, fragilidade e loucura de Jack Powell e tantos tantos outros. A mestria é assim...toca corações, marca vidas, acrescenta léxico, faz pensar e aprender. Só um actor de excelência é capaz de tornar um filme eterno e inesquecível ...assim é Robin Williams. Para mim, alguém que não tem medo de arriscar, não tem receio do ridículo...apenas se entrega e faz magia! Infelizmente até os sorrisos mais rasgados escondem os piores dos fantasmas...Eternizou-se neste mundo, fez-nos rir e chorar... possivelmente achou que o o céu precisava de rebolar no chão...ou nas nuvens...com as suas maluquices...e partiu...a meu ver, cedo demais. Gostava de ter visto mais...

 
...na falta de mais, fica a lembrança do sorriso de menino, escondendo, porventura, amarguras de um homem feito.

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Parabéns a mim!



Ontem foi dia de aniversário.
Dantes não gostava de celebrar os aniversários. Eram dias tristes porque nunca tinha ninguém, além da família mais próxima, para celebrar comigo! Afinal, Agosto é mês de férias...
Agora o meu marido surpreende-me a cada ano...junta (não sei bem como) grande parte dos amigos e faz-me sempre sentir única e especial...e esse é o propósito dos aniversários, ou não? Apesar das velinhas já serem muitas, dou por mim a ansiar o próximo dia 7 de Agosto!

terça-feira, 29 de julho de 2014

Acerca do abandono dos animais...

Toda eu sou a favor dos direitos dos animais. Não suporto ver animais abandonados, à sua sorte...não consigo perceber como alguém pode ignorar um animal, como se de lixo se tratasse. A meu ver a melhor campanha contra o abandono foi esta última...porque vai de encontro ao que eu sinto em relação a esses trastes que largam um animal que eles escolheram levar para casa, ludibriando-o , fazendo-o crer que vai ser amado e bem tratado, para mais tarde, por comodismo e facilidade, abandonar à sua sorte numa berma de estrada. Um cartaz ou imagem a pedir para não abandonarem animais, a meu ver, é um pouco parvo...quem acha que a solução para um problema passa por largar um animal na estrada, não vai sequer vacilar ao deparar-se com este tipo de campanha. Há que chamar as coisas pelos nomes...e neste caso, esta última campanha de ofensas a quem tem a falta de carácter de deixar um ser indefeso à sua sorte por motivos fúteis (sejam eles quais forem, serão sempre fúteis), merece nada mais nada menos que os piores dos nomes...isso ou uma valente coça!
O meu Matias veio da rua...nao sei a sua história, se foi abandonado...se a sua mãe foi abandonada e ele já nasceu na rua...mas uma coisa eu sei...o que quer que tenha acontecido, ainda bem que aconteceu, porque quem saiu a ganhar fui eu!






terça-feira, 22 de julho de 2014

Dia D...de desilusão!

Hoje escrevi muitas frases...apaguei outras tantas...por não conseguir expressar em palavras o que me vai na alma, como se costuma dizer. Hoje sinto apenas desilusão...uma desilusão sem igual, por viver num país que se esmera para prejudicar uma classe de trabalhadores que a única coisa que faz é formar pessoas, nas mais diversas áreas. Um país que não respeita, mas exige respeito...um país que concorda e bate palmas a decisões tomadas por gente pouco inteligente, que desconhece a realidade e apenas decide para sua própria conveniência. Hoje, além da desilusão, sinto uma vergonha incomensurável. Vergonha da necessidade dos colegas que não vislumbram outra solução senão humilharem-se...vergonha da filhadaputice dos colegas que sentem prazer em vigiar outros colegas...vergonha de quem corrobora com esta prova, só porque sim, sem ter argumentos ou sem conhecer a realidade por trás da mesma...
Hoje, mais uma vez, virei as costas à profissão que me escolheu...sim, foi ela que me escolheu. Sou feliz numa sala de aulas, mesmo quando pago para trabalhar. Sou boa no que faço, não porque tenho os conhecimentos e competências necessários...mas porque é a minha vocação. E isso nunca poderia ser avaliado numa prova de 90 minutos. Hoje sinto que desperdicei todo o esforço e orgulho dos meus pais...hoje sinto que desperdicei anos de sacrifícios longe da família, dos amigos e da terra que me viu nascer. Hoje sinto que foi tudo em vão e que possivelmente...hoje...será o dia em que terei de repensar a minha profissão...

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Que era é esta??

Talvez eu pertença mesmo a uma era diferente...talvez a minha afilhada tenha razão quando diz "Madrinha tu desculpa, mas estás a ficar velha..." (a propósito d as cuecas os calções de ganga que quer usar)... talvez eu esteja agarrada ao passado, que me agradava mais que este presente apressado, alheado, cego, surdo e mudo...solitário e tão...mas tão tecnológico! Talvez! Não digo que não... Contudo, custa-me ainda ver pessoas a partilhar mesas e refeições, sem se olharem, sem se tocarem, sem trocarem impressões sobre os seus dias...preferindo trocar likes, posts, fotos, selfies, sms, mms, twitts e afins até com quem nunca viram na vida. Não consigo entender esta obsessão de querer estar sempre ligado com o mundo inteiro...através de um computador.
Talvez eu esteja mesmo a ficar antiquada...mas é inevitável. Afinal eu sou da era em que quando conhecíamos as pessoas...conhecíamo-las de facto. Não falávamos com adultos a achar que estávamos a falar com adolescentes...não falávamos com homens a achar que eram mulheres e vice-versa...também nos enganávamos em relação às pessoas...mas isso era por causa do carácter (ou da falta dele) o que, por si só, é tema para outra conversa. Que tempo é este em que pais e filhos se rendem às tecnologias e a mesa de refeição é apenas mais um lugar, onde se trocam sms como se de uma maratona se tratasse? Que tempo é este em que os miúdos morrem de tédio em casa e se refugiam no computador, em conversas impróprias com quem nunca viram, em vídeos despropositados e registos minuciosos de todos os seus passos, em vez de saltarem para a rua e brincarem juntos? Que tempo é este em que as pessoas se sentam numa mesa de café...a dois...e sacam dos seus smartphones e abdicam do bem mais precioso que têm ao seu dispôr? Não me parecem tão smart assim...
O tempo não volta atrás, meus amigos...a vida passa rápido demais, para ser desperdiçada assim...em realidades virtuais!

terça-feira, 8 de julho de 2014

Nunca um erro...sempre uma lição!

Por vezes somos surpreendidos com acontecimentos que, de tão inesperados, nos causam alguma confusão. Depois do choque inicial, lá se consegue voltar à normalidade dos dias...agora ajustados às novas realidades. 
Quem me conhece bem diz que sou transparente demais...mas na verdade não me vejo assim. Primeiro, porque não sei o que significa ser só um bocadinho transparente...e depois porque sou assim como sou (transparente ou de tom arco-íris opaco-brilhante) desde que tenho capacidade de me observar enquanto ser humano. Contudo, tentava dar ouvidos ao que me diziam e, no meio dos meus vários ataques de fúria, depois dos tais acontecimentos inesperados e devastadores, fazia juras de mudança...já não ia mais ser assim...do jeito que era até então...agora ia ser uma Su diferente, cinzentona e completamente opaca! Nada de transparências! Daqui não ia sair nadinha! Não me iam descobrir as fragilidades nunca mais! Mas rapidamente percebia que tinha de voltar a ser a mesma Su de sempre...se calhar transparente demais...ingénua demais...crente demais...e também sofrida demais! Mas prefiro ser isso tudo demais...do que ser Su de menos! O que não me mata, torna-me mais forte! E o que pode ser visto como um erro por muitos... para mim é apenas mais uma lição...daquelas que acrescenta um mais à pessoa que eu já sou! 

sexta-feira, 27 de junho de 2014

A força de um abraço



Pode parecer um cliché...um lugar comum...mas a verdade é que um abraço, um simples abraço, contém a força, a energia positiva, a coragem, o carinho...até as palavras que teimam não sair (por não se saber o que dizer, ou porque estão presas na garganta)...tudo isto...contido em dois braços abertos.
Ontem senti a força de vários abraços...e essa força imensa fez-me voltar de um lugar escuro e pesaroso...trouxe-me energia positiva...renovou-me a esperança...fez-me voltar a acreditar...

terça-feira, 17 de junho de 2014

Esse amigo chamado tempo...


♡




Dizem que o tempo é conciliador, apaziguador...dizem que traz compreensão e alguma sabedoria...faz-nos entender o que o calor do momento não deixa...amansa todos os sentimentos...presenteia-nos com calma e uma boa dose de paciência, aquela que já escasseava há muito.
Nunca fui boa nisto de dar tempo ao tempo. Quero tudo agora, tenho pressa de viver e ser feliz...e talvez por isso, o tempo, esse traste, me esteja a querer ensinar todas as suas qualidades...já percebi, amigo tempo...não te esforces mais! Se puderes só levar todos os meus pensamentos enquanto espero, agradecia!

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Sonhos

Por vezes os sonhos não passam disso mesmo...de sonhos. Sonhos que em segundos se transformam em pesadelos difíceis de controlar...nos quais o medo passa para 1º plano e tolhe todos os outros pensamentos. Dizem que sonhar não custa...Não concordo! Tenho pago um preço demasiado alto pelos sonhos que sonho. E cansa viver a sonhar...

terça-feira, 13 de maio de 2014

Renovação da fé

Para quem tem fé, o dia de hoje é especial...é de crença e esperança! Há precisamente um ano perdi a minha fé. Precisamente no dia 13 de maio. Desacreditei, baixei os braços e deixei-me levar pela dor. Precisei dessa queda aparatosa, para me reerguer e voltar a crer. Hoje com mais força, creio que há alguém a interceder por mim junto de Deus. Hoje sei que tenho uma forte aliada que não responde aos meus pedidos quando quero, mas quando for a hora certa e quando estiver preparada. 








Na minha cidade, Fátima é união, é homenagem, é oração. 
Ontem, a cidade uniu-se em silêncio, à luz de velas e a orar, ora agradecendo, ora suplicando, mas todos crendo na grandeza e na bondade da Nossa Senhora de Fátima. 
Gosto de te crer e de saber que intercedes por mim! 

terça-feira, 8 de abril de 2014

Injustiças na vida de uma SuperHeroína

No dia em que o meu avô morreu, uma das suas filhas, que já não o via há 2 anos, por estar emigrada, estava em plena viagem. Esta não era uma viagem feita como as outras...com o coração a saltar do peito de alegria, por rever a família. Desta vez, o coração, apertadinho, no fundo do peito, quase temia bater. Ela sabia que esta viagem, preparada às pressas, quase sem bagagem, significava a última visita ao pai... Não consigo (e nem quero) imaginar a dor de um filho sabendo que vai ver o pai pela última vez! Quis o destino que isso não acontecesse...e ele partiu mesmo antes dela chegar. Deu tempo para tratar de todas as burocracias antes sequer de a ir buscar ao aeroporto. Este episódio marcou muito a minha vida. Sou filha única e muito ligada aos meus pais. Com o meu pai tenho uma ligação super especial...e recuso-me imaginar-me numa situação idêntica. 
Ontem, uma amiga perdeu o seu pai quase da mesma forma que a minha tia. 
Uma SuperHeroína, que foi travar uma batalha para o outro lado do mundo...onde tudo é tão escasso, à parte da esperança e da alegria de viver com quase nada. Antes da sua partida para Timor, onde foi partilhar o que sabe e educar meninos e meninas que nada têm, no meio de um abraço apertado, disse-me a medo "Será que eu vou morrer por lá?" Levou o meu olhar de reprovação e um "Vê lá se não te armas em tola..." ...mas no meu coração deixou o medo...um medo atroz! Apesar dela não ser católica, fazia parte da minha lista de nomes nas minhas orações, pois apesar da sua personalidade louca e aventureira, de uma cidadã do mundo, literalmente, também esta SuperHeroína precisava de protecção divina e de aconchego do meu Deus. As saudades já apertavam. Mas aguentavam-se por mais uns meses... Não é justo uma pessoa que dá tanto de si, cujo nome do meio é Altruísta, perder um pilar da sua vida, sem ter sequer a hipótese de se despedir...sem dar um último abraço...sem sussurrar aquelas verdades, que por vezes não se dizem por se considerarem óbvias demais...não é justo! 

segunda-feira, 31 de março de 2014

Bora ser feliz?


Bora ser feliz? | via Facebook
A vida enche-nos com desafios, uns atrás dos outros. 
Uns a gente vence...outros perde e aprende! Ganha força e "lanço" para mais um sprint nesta corrida desenfreada pela felicidade! Dizem que não há um caminho para a felicidade e que ela mesma é o caminho! Começo a acreditar nesta máxima. E depois de deixar para trás tudo o que me prende e me puxa para baixo, é hora de erguer a cabeça, inspirar todo o positivismo que conseguir, e viver cada desafio com a perseverança que já me é conhecida e com a certeza de que se não vencer este...o próximo será MEU! 

'Bora ser feliz de uma vez?? 

Último dia de março


rainy | via Facebook

Se março que é março foi o que foi...imaginem abril...que diz que as águas são mil!!!